Arquivo da tag: treinamento

TWOFLEX ADQUIRE SIMULADOR DE VOO

A TWOFLEX, uma das principais empresas de táxi aéreo do País, acaba de instalar em sua base, no aeroporto de Jundiaí (SP), o simulador de voo da aeronave turbo hélice Cessna Grand Caravan, o mesmo modelo das aeronaves da frota da companhia. O equipamento é o único no setor de taxi aéreo e aviação regional do País, e representa um diferencial significativo no alto padrão de segurança de voo da empresa. Continue lendo TWOFLEX ADQUIRE SIMULADOR DE VOO

SIMULADOR: A CONDUÇÃO EM CONDIÇÕES REAIS

Por Redação Crane Brasil

Simuladores operacionais para treinamento de motoristas não são novidade no Brasil. Já há um número bastante significativo de unidades e diferentes modelos em uso em escolas de treinamento e qualificação ou mesmo em transportadoras e frotistas em vários segmentos do mercado. Um dos grandes problemas é a falta de adequação das condições simuladas e a as situações reais de condução do veículo. Essa é uma questão que parece estar resolvida nos simuladores desenvolvidos pela Simbra, Simuladores do Brasil, por inúmeras razões. Continue lendo SIMULADOR: A CONDUÇÃO EM CONDIÇÕES REAIS

AMPLIANDO AS OPORTUNIDADES

Idade média de frota de 5 anos e investimentos de R$ 16,7 milhões conferem premiação à Guindastes Centro Oeste

Por Ricardo Gonçalves

tc 2015 standard centro oesteUma composição de equipamentos com idade média de até 5 anos, um investimento em renovação e ampliação da frota de R$ 16,7 milhões em 2014 e um guindaste Liebherr LTM 1500-8.1, com 50 m de lança e 67 m de luffing, além de capacidade máxima de elevação de 550 t. Esses foram os principais para a conquista do Top Crane’2015 pela Guindastes Centro Oeste na categoria Frota Standard (empresas com até 100 equipamentos).

Com sede em Serra (ES) e filiais nos municípios de Camaçari (BA) e Rio de Janeiro (RJ), a empresa atua na locação de máquinas há mais de 20 anos. A frota da Centro Oeste é composta por 70 equipamentos no total, uma ampliação de oito unidades em relação a 2013. Majoritariamente, são 63 guindastes sobre pneus, entre eles, 20 Liebherr, na faixa de 90 a 550 t, 13 XCMG, entre 60 e 70 t, 8 Sany, todos com capacidade para 60 t, dois Terex para 50 t, dois Grove, para as respectivas capacidades de 15 e 450 t e dois Tadano para 50 t. A empresa possui também dois guindastes sobre esteiras XCMG, um para 150 t e outro para 260 t, e três gruas Liebherr, com as capacidades de 3 t e 5. No ano passado, toda a frota de equipamentos da companhia acumulou 92,6 mil horas trabalhadas. Outras 120 horas foram acrescentadas por equipamentos locados de terceiros.

tc 2015 standard centro oeste 2Em termos de quadro funcional, chama a atenção a porcentagem de operadores. São 145 funcionários contratados, sendo 86 operadores ou cerca de 60% de todo o quadro da empresa. Há, ainda, 12 funcionários terceirizados. Cada operador teve uma carga de treinamento de 78 horas-aula em 2014. Nesse ano, a empresa registrou dois acidentes de trabalho – um com afastamento e outro sem -, alcançando um total de 254 dias consecutivos sem acidentes. Na área de segurança foram investidos R$ 65 mil. Já para o setor de
suporte técnico, o investimento foi de R$ 150 mil. Além da oficina central, com 15 funcionários, há uma oficina regional com 5 funcionários. A empresa possui um estoque de peças de reposição
de 6.500 itens, 5 mil na matriz e 1.500 nas filiais. Além da ISO 9001, a Centro Oeste conta com a ISO 14001, desde dezembro do ano passado, e com a OHSAS 18001, obtida em março deste ano. Em novembro de 2014, a empresa recebeu o prêmio “Fornecedor de Destaque” pelos serviços prestados na unidade da siderúrgica Arcelor Mittal, em Vitória (ES).

Entre os projetos realizados pela locadora no último ano destacam-se a manutenção de um parque eólico no interior baiano, empregando uma plataforma elevatória, 7 carretas e 2 guindastes de 60 e 450 t, respectivamente. Já entre maio e junho de 2014, a empresa realizou a movimentação de cargas diversas para a Refinaria Landulpho Alves (RLAM), da Petrobras. Para a operação foi mobilizado o Guindaste GMK 7450, da Grove, de 450 t, configurado com 120 t de contrapeso. Desde março do ano passado, ainda, a grua Liebherr 85EC-B5 atua em Anchieta (ES), realizando a montagem de estruturas metálicas para uma mineradora.

PROGRAMA DA MAHLE QUER IDENTIFICAR TALENTOS PARA A INDÚSTRIA

mahleA MAHLE Metal Leve, além de se destacar mundialmente por desenvolver novas tecnologias e se manter entre os principais provedores da indústria automobilística mundial, vem se distinguindo por colaborar para a excelência do ensino das universidades e a formação dos seus alunos.
O Centro Tecnológico MAHLE, localizado em Jundiaí, SP, vem há algum tempo desenvolvendo parcerias com algumas instituições de ensino através de várias iniciativas, entre elas o Programa de Educação Corporativa, que tem como objetivo valorizar a educação e contribuir para a formação de profissionais para o mercado de trabalho. Outro aspecto importante dessa cooperação do Tech Center MAHLE, além de estreitar o relacionamento com as instituições acadêmicas, é que ela tem a capacidade de identificar novos talentos que venham a atuar profissionalmente no setor automobilístico.
Em sua segunda edição, o Programa de Educação Corporativa teve seu foco voltado para os alunos participantes dos projetos extracurriculares de Fórmula SAE BRASIL e BAJA SAE BRASIL, das universidades: Estadual de Campinas (UNICAMP), Federal de Itajubá (UNIFEI) e Escola Politécnica, da USP.
Com carga horária de 22 horas, o treinamento foi realizado de 28 a 30 de julho, e ministrado por colaboradores do Tech Center. Independentemente dos resultados positivos obtidos no decorrer dessas competições, nesses três dias os alunos tiveram a oportunidade de desenvolver habilidades e competências que contribuirão para o desenvolvimento da sua profissionalização.
As atividades previstas para os participantes do Programa de Educação Corporativa preveem que eles concluam esse período de capacitação com uma visão muito mais ampla de toda cadeia de concepção de um projeto. Os temas propostos para essa preparação permitem que os alunos possam idealizar com método e eficiência um projeto desde a ideia inicial até realização do produto final pronto para competir, incorporando noções abrangentes de como gerenciar todas as fases de um novo projeto.malheweb
Com base na avaliação dos alunos da edição anterior, que analisaram a experiência que tiveram no decorrer do curso, as atividades deste ano foram aprimoradas para adaptar os ensinamentos às suas necessidades. Neste ano, por exemplo, estiveram entre as novidades palestras abrangendo Gestão de Pessoas, Motores, Simulações, Competições, além de uma “Roda Conversa” com Ricardo Abreu, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do Tech Center, momento onde os alunos puderam trocar experiências e esclarecer dúvidas de engenharia e carreira.
Os novos temas vieram complementar a programação anterior que discorria sobre: Aplicações Tecnológicas, Inovação, Gerenciamento de Projetos, Gestão Estratégica de Finanças, Planejamento Estratégico, Marketing e Comunicação Corporativa e Motores de Competição.
Alunos da UNIFEI consideraram: “Um privilégio conhecer o Centro Tecnológico MAHLE e sermos instruídos por profissionais das mais diversas áreas. Além de todo o aprendizado recebido nas palestras levamos conosco a visão, a missão e os valores da empresa que, certamente, fazem dela uma referência para a indústria mundial. Agradecemos à MAHLE a essa oportunidade única de proximidade e crescimento”.

A unidade brasileira do Centro de Tecnologia da Mahle, um dos dez existentes ao redor do mundo, é fruto de investimentos da ordem de R$ 100 milhões. O Tech Center de Jundiaí trabalha com o desenvolvimento de todos os produtos do portfólio global da Mahle e é o responsável mundial pelas linhas de anéis de pistão, camisas de cilindros e filtros para aplicações em motores flexíveis. Em suas instalações trabalham 297 colaboradores entre técnicos, graduados, pós graduados, mestres e doutores. Está instalado em uma área de proteção ambiental permanente de 125 mil m2, e seu principal foco é o desenvolvimento de componentes e soluções tecnológicas para motores de combustão interna, visando à redução de atrito, de emissões e do consumo de combustível.

TREINAMENTO DA IPS PARA RIGGERS

ips treinamento riggers julho 15A IPS Engenharia de Rigging realizará um treinamento com carga horária de 32 horas para Riggers, de 27 a 30 de julho, em suas instalações, localizadas em Guarulhos (SP). O custo para os interessados é de R$ 1250, com aulas ministradas pelo instrutor Wildes Larcher Neto, responsável técnico da IPS e engenheiro mecânico especializado em içamentos pesados e movimentação de carga.

Para maiores informações, como formulário de inscrição e forma de pagamento, acesse www.ips.com.br ou entre em contato com Tamario Rubio, pelo telefone (11) 2087 – 7999 ou pelo email ips@ips.com.br.

DICAS: METODOLOGIAS E PROCEDIMENTOS SEGUROS NOS IÇAMENTOS

dicas21eagora

 

                                                          

                                                               DICAS – Por Camilo Fiho

A PONTA DO ICEBERG O gerenciamento tem o papel principal na prevenção de acidentes relacionados com guindastes

SINALIZAÇÃO NÃO É PARA AMADORES Não pode ser um “gente boa” indicado por alguém ou um ajudante geral, mas um profissional com experiência, treinamento e certificação

ALTA TENSÃO A maioria dos acidentes com vítimas fatais envolvendo guindastes ocorre em operações próximas a redes energizadas. 10 dicas para reduzir esse risco

Em breve, mais dicas:

CB17
PÓRTICOS HIDRÁULICOS
Extremamente versáteis no içamento e movimentação de cargas, muitas vezes substituem guindastes, com um custo de mobilização/desmobilização e de locação incomparavelmente menor.

CB19
CRITÉRIOS NO USO DE CABOS GUIA

Operação ganha maior importância nos projetos eólicos e deve
ser incorporada aos planos de rigging

CB23
NINGUÉM SUBSTITUI VOCÊ!
É um erro confiar cegamente em qualquer equipamento eletrônico, que são susceptíveis de falhas, comprometendo e colocando em risco a operação

CB24
COMO ESTACIONAR O GUINDASTE AO FINAL DO EXPEDIENTE
Deixá-lo com a lança erguida não é uma boa prática. Com o jib montado, pior ainda,
já que representa uma carga

CB26
O MAU USO DO LMI COMPROMETE A SEGURANÇA!
Se um peso é desconhecido, é impossível determinar se os mesmos excedem a tabela de carga ou não. Portanto, içar uma carga nessas condições é claramente uma transgressão das normas.

CB27
A PROTEÇÃO DE SEU NEGÓCIO
Uma revisão dos processos litigiosos mais comuns envolvendo acidentes com guindastes reforça a necessidade de se planejar com antecedência e atuar com segurança

CB28
OPERANDO NA ZONA NEBULOSA
Uma tabela de carga não nos diz que limites estruturais são violados quando o guindaste é levado além da tabela e se aproxima do tombamento.

CB29
INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS
NAS OPERAÇÕES COM GUINDASTES
As condições climáticas podem afetar adversamente as atividades de içamento. Elas precisam ser plenamente consideradas durante o planejamento e a execução do trabalho. Devemos fornecer recursos que sejam capazes de alertar-nos, por exemplo, de uma tempestade repentina, a qual poderia apanhar-nos no meio de um içamento importante, ou de grande magnitude que estivesse em andamento.

CB30
O CHECKLIST DE 10 PASSOS PARA RIGGERS
Confira abaixo uma série de procedimentos e a sequência operacional para garantir total segurança nas operações de içamento

CB32
TIRANDO O MÁXIMO DAS INSPEÇÕES
4 Passos para a realização eficiente de inspeções em guindastes

CB34
PORQUE OCORRE SOBRECARGA NOS GUINDASTES?
Existem duas maneiras básicas de ocorrer sobrecarga num içamento: a proposital e a não intencional.
A não intencional ocorre por erro ou falta de conhecimento por parte do operador, rigger ou quem projetou o içamento.

CB35
REBOQUES HIDRÁULICOS MODULARES (LINHAS DE EIXO) E SPMT’S
O desenvolvimento das “linhas de eixo” foi uma revolução que mudou para sempre a maneira de se transportar cargas superpesadas e superdimensionadas

CB36
A ESPECIFICAÇÃO CORRETA DE ESLINGAS – Parte 1
O primeiro passo é a especificação correta da eslinga no processo de compras, o qual deve ser feito de forma clara e completa, pois será crítica para a segurança subsequente das operações de içamento.

CB37
A ESPECIFICAÇÃO CORRETA DE ESLINGAS – Parte 2
A configuração correta será influenciada pelo tipo da carga a ser manuseada.

CB39
EMPILHADEIRA: UMA OPERAÇÃO SEM LACUNAS
Tópicos fundamentais do programa de treinamento para garantir performance e segurança operacional

CB40
O QUE SÃO AFINAL OS ROUGH TERRAIN CRANES (RT’S)
Com estrutura reforçada, compactos, multiuso, tracão 4×4 ou 6×6, podem içar e deslocar-se com a carga, mesmo em terrenos acidentados

CB41
OS GUINDASTES MONTADOS SOBRE CAMINHÃO (TM)
Continuando nossa série de apresentação dos equipamentos, chegou a vez de um velho conhecido nosso: o guindaste montado sobre caminhão.

 

camilo

ÁREA DE SEGURANÇA NA FEIRA DE LAS VEGAS

ncccoA NCCCO, instituto norte-americano de certificação de operadores de guindastes, e a IPAF, associação mundial que promove boas práticas no trabalho com plataformas aéreas, estarão se apresentando junto na CONEXPO, em uma área batizada de “Lift Safety Zone”. Nesse local (Gold Lot #1817) serão feitas demonstrações de procedimentos seguros no uso de ambos os equipamentos: guindastes e plataformas. O foco neste ano serão operações sob ou próximas a linhas energizadas. Haverá também projeção de vídeos produzidos pela Specialized Carriers & Rigging Association (SC&RA) e uma palestra sobre o tema ministrada por Paul Satti, especialista em segurança  do trabalho do Construction Safety Council. Assista um dos vídeos no site da NCCCO http://bit.ly/LSoVlR

Mais informações:  http://bit.ly/1kzjvLB