Arquivo da tag: transporte especial

OS MELHORES CASES DO ANO DE ELEVAÇÃO DE CARGAS E TRANSPORTES ESPECIAIS

Entre mais de 52 cases inscritos para os prêmios Top Crane e Heavy Duty, nesta edição de 2017, a oitava consecutiva, a seleção dos 12 vencedores foi um árduo e trabalhoso processo decisório. A primeira surpresa foi, é claro, o número de concorrentes que excedeu o registrado mesmo em períodos anteriores à crise econômica.  Constatou-se, mais uma vez,  que os dois setores, não raro com atividades integradas, possuem hoje um altíssimo nível de proficiência – em termos de competência, capacidade, habilidade e maestria -. O que só ocorre quando a profissionalização da atividade é efetivamente prioritária, merecendo os consequentes investimentos em processos, qualificação e tecnologias. Continue lendo OS MELHORES CASES DO ANO DE ELEVAÇÃO DE CARGAS E TRANSPORTES ESPECIAIS

OS SEGREDOS DA GOLDHOFER PARA BAUMA‘2016

mpaLançada há três anos atrás, agora a Goldhofer apresentará em Bauma uma nova série da tecnologia MPA-K. com várias combinações possíveis. A tecnologia MPA, cabe lembrar, foi desenvolvida pela Goldhofer, BPW, Neumeister e Heyd, com base na invenção do sistema de eixos de Earle S. MacPherson. O resultado é um veículo heavy-duty que é, ao mesmo tempo, o estado da arte em termos de especificações técnicas e uma solução simples. Com eixos mais leves, caracteriza-se por grande capacidade de carga útil e distribuição de 12 t por eixo.

Tem inegável superioridade técnica em relação aos eixos direcionais convencionais (maior ângulo direcional e curso de suspensão) e menor altura de carga, com plataforma rebaixada. Também trouxe melhorias na manobrabilidade e otimização de segurança na estrada. Outra vantagem é o número mínimo de componentes, de longa vida útil, e intervalos bastante prolongados de manutenção

 

O segredo da nova série, guardado a sete chaves, será revelado somente durante a feira, no estande FN823/1 com área de 1.500 m2. Sabe-se que serão apresentados veículos com eixos MPA e pendulares. Com essa combinação, a Goldhofer quer ampliar as opções com foco em configurações rápidas e flexíveis – que possam garantir versatilidade e redução de custos na operação da frota.

O CEO da Goldhofer, Stefan Fucks, antecipa que a principal inovação que será apresentada será um tipo de acionamento auxiliar para módulos heavy-duty autopropelidos. “Todos aqueles que conhecem a Goldhofer também sabem que nossas inovações são soluções julgadas e testadas. Isso significa
que os benefícios aos clientes não vem apenas da excelência de nossa engenharia, mas também dos recursos que garantem maior flexibilidade e confiabilidade, bem como maior rapidez e facilidade de mobilização – fatores críticos para garantir redução de custos nas operações de transporte”.

bauma2013
Estande da Goldhofer na Bauma 2013

Uma das atrações no estande da Goldhofer será uma viga elevada Faktor 5 desenvolvida para um cliente no México. Dentre outros diferenciais, ela é configurada com um módulo auto-propelido com acionamento hidrostático. Esse equipamento é a oitava unidade da série Faktor 5 (100 toneladas de peso e capacidade de carga útil de 500 t – que a Goldhofer também lançou em 2013.

Na linha de reboques, a Goldhofer apresentará em Bauma uma semirreboque de 3 eixos com plataforma rebaixada, da Série Expert, uma gôndola de 4 eixos com uma roda inteligente – que a transforma em equipamento off-road para movimentação de máquinas construção, e uma combinação de 10 eixos com base no semirreboque gôndola da Série STZ-P, com tecnologia de eixo pendular.

eolicatopoOutro equipamento em destaque será o FTV300 desenvolvido especialmente para o transporte de pás para parques eólicos, além de uma combinação de 12 eixos com vários módulos da família THP/SL e um módulo autopropelido da Série PST/ES-E com ajuste de largura de via hidráulico.

NOVO CONCEITO EM TRANSPORTE PESADO

Transporte das prensas termina dentre de um mêsA demanda pelo transporte de cargas cada vez maiores, em peso e dimensões, vem popularizando no mercado os transportadores modulares autopropelidos (SPMT, das iniciais em inglês), que viabilizam a movimentação de grandes equipamentos em áreas com pouco espaço e pistas irregulares. Essa tendência, já consolidada nos países industrializados, começa a se difundir também no Brasil, como demonstra a experiência da Transdata. Em 2014, a empresa adquiriu novos módulos que, somados às aquisições realizadas nos dois anos anteriores, a posicionam como a transportadora com a maior frota de SPMT do Brasil, totalizando 150 linhas de eixo autopropelidas.

“Com esse investimento em tecnologia, estamos nos preparando para atender à necessidade dos clientes por soluções em movimentação de cargas complexas”, afirma Luiz Natal Laurenti, diretor de operações da Transdata. Ele explica que as linhas de eixo são compostas por módulos de quatro e seis eixos, todos fornecidos pela Cometto, o que viabiliza a utilização de várias unidades em um único conjunto transportador. “O equipamento é comandado por um sistema de direção eletrônico, por meio de um computador de bordo e guiado pelo operador através de controle remoto, dispensando o uso de cavalo mecânico.”

O acionamento hidrostático fica por conta da unidade Power Pack (PPU), que viabiliza a direção e elevação do conjunto transportador. Cada eixo suporta 40 t de carga, o que confere uma capacidade de 240 t, aos módulos de seis eixos, e de 160 t, aos de quatro eixos. Com isso, a junção de vários módulos confere flexibilidade para formar diferentes configurações de conjuntos, de acordo com o peso e dimensão da peça a ser transportada. “Como seus eixos têm capacidade para realizar movimento de rotação, o equipamento tem alta mobilidade e realiza curvas em áreas com pouco espaço”, completa o executivo.

Ilustrando a aplicação do equipamento, Laurenti afirma que as linhas de eixo foram utilizadas no transporte de componentes da prensa que a Nissan instalou em sua fábrica, localizada em Resende (RJ), para a produção da carroceria dos automóveis. “As peças, que pesavam de 50 t a 200 t, foram carregadas no costado do navio, no porto do Rio de Janeiro, e transportadas até o complexo industrial em construção.” Nessa operação, a Transdata mobilizou as linhas de eixo autopropelidas em conjunto com uma viga transportadora bipartida.